quinta-feira, 21 de junho de 2012

A Próxima Vítima - Internacional: Comentando a Trilha #1

Bem, pessoal: estou apresentando hoje, 21/06/2012, uma nova "seção" de meu blog: a "Comentando a Trilha", onde seleciono trilhas sonoras para comentar. Deixo claro que expresso minha opinião sobre elas, portanto não são verdades absolutas. A trilha sonora de hoje é A Próxima Vítima - Internacional.
Já vou deixando claro: não disponibilizarei para download as trilhas nessa seção. Talvez algumas terminem por ir para download futuramente, mas de forma avulsa em outros posts. Sem mais delongas, vamos aos comentários:

Lançada em julho de 1995, A Próxima Vítima/ Internacional, além de ser na minha opinião uma trilha sonora muito boa e bem selecionada, é um resumo bem competente da febre eurodance dos anos 90, que ainda tinha força em 1995. Só perderia força a partir da segunda metade de 1996, até morrer por completo - e prematuramente - em 1998, quando foi "substituída" pelo estilo house.
Logo na faixa 1, já temos Inner Circle, banda de reggae que na época já contabilizava mais de 20 anos de estrada, mas que vinha fazendo sucesso apenas desde 1993 em terras brasileiras. Black Roses é uma balada interessante, não tem nada de típico no reggae e por ser incomum, caiu bem na abertura da trilha;
A faixa seguinte foi talvez o sucesso mais notável da banda Firehouse no Brasil, sendo a única faixa eternizada de fato por aqui. I Live my Life For You (erroneamente grafada como I Live my Life For Love, malditos estagiários...) é de fato uma bela balada, com um potencial enorme, porém tem algo de "farofeira" em si;
Na terceira faixa, La Bouche nos brinda com sua então recentíssima Be my Lover. Não tem como não remeter diretamente às delícias da eurodance noventista. Essa faixa é puro eurodance de qualidade. Quem viveu essa época como eu sabe o quanto marcou;
Jim Croce faleceu em 1973, dias antes do lançamento de I Got a Name e seu álbum homônimo, aos 30 anos, num desastre aéreo. Devido a isso, I Got a Name tornou-se seu maior sucesso, seguido de I'll Have to Say I Love You in a Song, presente em "Cara & Coroa". Mas como se explica essa inclusão das duas faixas em trilhas sonoras de 1995? É simples: a pequena e iniciante gravadora Paradise comprou os direitos de Jim e relançou seu álbum de maior sucesso em 1995. Inclusive foi uma gravadora de vida curta, tendo seu fechamento no ano seguinte. De qualquer forma, I Got a Name é uma belíssima faixa que vale a pena ser conferida (e esteve inclusive no comercial do disco da novela);
Flava to da Bone era e permaneceu como banda desconhecida aqui no Brasil. Entretanto, a regravação de More Than a Woman, original dos Bee Gees é absolutamente deliciosa e tocou bastante na novela, embora não me lembre de a ter ouvido muito nas rádios. Recomendo fortemente;
Já na faixa 6 temos uma regravação muito fofinha e curta de Bizarre Love Triangle (original da banda New Order), pelo grupo Frente! (com exclamação no nome, mas na trilha não consta);
Annie Lennox nos brinda com a lindíssima No More "I Love Yous" na faixa 7, emplacando competentemente seu segundo álbum solo após sua saída temporária dos Eurythmics;
Já na faixa 8 temos uma interessante regravação de Let's Stay Together por Bobby Ross Avila, artista de uma pequena gravadora (Kaskata's). A faixa original, vale esclarecer, é de AL GREEN, não da Tina Turner, como algumas pessoas metidas a conhecedoras andaram espalhando de forma superficial em vídeos pelo Youtube afora...
Na faixa 9 vem um Terence Trent D'Arby (que hoje mudou de nome para Sananda Maitreya) inspiradíssimo numa faixa que considero a mais impactante do disco. Impossível não vibrar com Holding on to You. Inspiração pura;
East 17 era até então desconhecido no Brasil e, pelo que li por aí (mais precisamente num post do Johan Van Händel no orkut, tempos atrás), rivalizava na Inglaterra com Take That. Não importa realmente se havia ou não tal rivalidade, importa é que Around The World é uma faixa bobinha, porém gostosa de se ouvir;
A regravação de Double You para That's The Way (original de KC & The Sunshine Band) foi o primeiro single de seu álbum que seria lançado apenas no ano seguinte, Forever. E foi um estrondoso sucesso nas rádios, principalmente na Jovem Pan. Gosto muito dessa faixa, particularmente;
O duo Scarlet teve vida curta e dois álbuns lançados, um em 1992 e o último em 1995, de onde saiu a lindíssima Independent Love Song que está presente na trilha. Li também no mesmo post do Johan citado acima que saiu nos jornais da época ainda no começo da novela, que a Warner anunciava a inclusão de Independent Love Song na trilha sonora da novela, já que a faixa vinha de um estrondoso sucesso no exterior. Sucesso merecido, diga-se de passagem: a faixa é realmente linda, minha preferida de toda a trilha sonora;
Já a faixa 13 também foi outra que tocou massivamente nas rádios, já "profetizando" que o eurodance abriria passagem para o house anos mais tarde: Tough Girl, de Martine, embora tenha a sua estrutura pautada em eurodance, tem uma boa pegada house. Muito boa, por sinal;
Para fechar com chave de ouro a trilha sonora, temos Alexis San Nicolas com a interessantíssima Fotonovela que, poucos sabem, mas se trata de uma regravação de uma faixa do final dos anos 80, cuja original guarda inúmeras semelhanças com a presente na trilha sonora, porém não tocou aqui no Brasil e foi erroneamente creditada em sua composição ao artista intérprete, o que não é verdade. Problemas legais a parte, é uma boa faixa.

E por enquanto é só, pessoal.

Nenhum comentário: